quinta-feira, 22 de setembro de 2016

Deus esta nas coincidências*



O caminho já foi pisado anteriormente
Reconheço as pegadas ate em caminhos novos
Sou guiada pelas coincidências
Ligeiramente tropega e errante pela vida

O telefone que toca quando penso no amigo
A musica no radio que pressinto ouvir
O conto que escrevo para você
Enquanto sorri para mim por mensagem virtual

O caminho já foi anteriormente definido e desejado
Nada nessa vida esta solto, por mais que pensemos o contrario
Tudo tem ligação, tudo tem um antes e depois
Cada passo constrói o seguinte e somos, ou seremos

a soma de todos esses eventos
Como o sorriso que recebi do estranho, de passagem
O bom dia que troquei no mercado
O beijo que joguei para a criança que chorava, e agora já não chora.


quinta-feira, 15 de setembro de 2016

A mesma língua



Sonhei que você vinha, em uma noite fria como essa
Trazia alguns livros e flores, aquelas plantadas e não as mortas.
Ouvíamos musicas enquanto discutíamos sobre os livros
Conversando de historias tão conhecidas por nos dois

Encontro feliz achar alguém que fale a mesma língua
Nesse mundo cada vez mais solitário,
nesse país cada vez mais egoísta...
E dividíamos cigarros e alimentos.

A chuva que caía inundava a cidade
E o apartamento era uma ilha de vida
Uma ilha onde alguém vivia bem
Podendo se dar ao luxo de sorrir, com franqueza...

O dia já amanhecia quando acordei
Havia o gosto de sua presença no ambiente
A chuva realmente havia caído sobre a cidade
Só faltava você, sentado naquele sofá que tanto gosta...

domingo, 7 de junho de 2015

Ponto Zero



Sufocar amores
É pratica que conheço.
Primeiro você quebra os encantos
Depois leva ele a morte
Em outros lábios, talvez mais doces...
Não sei ao certo...

Mais uma vez arrasto um para o sacrifício
Coloco a venda em seus olhos
E o metralho com todas as realidades amargas
Que conheço de cor
Viro as costas e me vou
Carregando um misto de dor e alivio

É só mais um ato igual
Em uma das tantas madrugadas
Na cidade dormitório

Que tenho que chamar de lar.


terça-feira, 12 de maio de 2015

Descaminhos



A parte sua que ficou
Trouxe minha poesia de volta
Estranho efeito colateral
Sua saliva deixou em mim...

A arte estava sufocada
Agora respira novamente
Renascida de seus abraços
Mas ainda tem a minha cara

Obrigado pelo pedaço,
Pela arte, pelos beijos...
Obrigado, eu que agradeço

Entrar em você
Me fez voltar a mim
Pode deixar, manterei meus olhos em bons lugares
para refletir bons sorrisos.


quinta-feira, 12 de março de 2015

Maquina de Poesia


O destino é um filho da puta
Podia ter me feito ganhar na mega sena
Mas me fez esbarrar contigo
De surpresa, em um belo dia fudido...

Te ver não despertou nada
Mas me lembrou que existe
E que ainda te quero bem
Comigo ou com quem quer que seja

A distancia me fez desacostumar do seu sorriso de canto de boca
E agora estou no trabalho, sem foco... Lembrando dele
E sem saber de fato o que eu desejaria fazer
Com ele ou com qualquer outro sorriso

Finalmente descobri que não existe mais coração em meu peito
Apenas tenho um sistema nervoso que pira
Toda vez que encontro um ex-amor
Que se esvaiu pelos caminhos tortos da vida.

segunda-feira, 12 de janeiro de 2015

Tantos



E sou eu de novo
Batendo a porta da cidade
Do coração partido

Velha moradia, de tantas noites
De alcool, cigarros e boemia.
Tantos copos, tantos corpos...

Devia ter imaginado, ter notado
Esses saltos de sorte
Não são para pessoas como eu
Para corações como o meu

No fim é só um jogo, onde todos saem feridos
Eu devia ter visto, ter notado...
Era só mais uma cena de verão
Daquelas tão comuns de se viver.


"Deixa estar, vai passar. Com sorte, tudo vai ser breve..." 

segunda-feira, 1 de setembro de 2014

Quantas cidades existem em você?


P.S.: Obrigado pela inspiração.

Leve todo o tempo que precisar
Passeie pelo interior do seu ser
Quantas cidades existem em você?

Traga a tona todas as emoções emergidas
Seja profundo o suficiente para suportar,
Sua completude é seu maior charme.

Ande a esmo entre suas cidades internas
Vague pelas suas lembranças...
Vasculhe suas gavetas imateriais
Jogue fora o que só faz volume e peso.

Leve todo o tempo que precisar
Traga a tona tudo que te fortalecer
Esse caminho é só para os raros e loucos
Aqueles que tem coragem de ser quem são.



Anna Araujo – 29/08/2014