segunda-feira, 12 de janeiro de 2015

Tantos



E sou eu de novo
Batendo a porta da cidade
Do coração partido

Velha moradia, de tantas noites
De alcool, cigarros e boemia.
Tantos copos, tantos corpos...

Devia ter imaginado, ter notado
Esses saltos de sorte
Não são para pessoas como eu
Para corações como o meu

No fim é só um jogo, onde todos saem feridos
Eu devia ter visto, ter notado...
Era só mais uma cena de verão
Daquelas tão comuns de se viver.


"Deixa estar, vai passar. Com sorte, tudo vai ser breve..."