domingo, 10 de novembro de 2013

Sétimo


Se queres que eu fique
Se me desejas em seus braços
Me de um sinal, me avise...
Ou terminarei partindo na próxima nau

Marujo errante, náufrago errado
Quero um porto, um cais
Se aceitares esse papel
Minha fragata será seu reino

Caso não pretendas aceitar, me diga
A terra firme me causa vertigem
Ou sobrevoo a cidade
Ou a avisto dos mares

Aportei pela resposta
Te sigo por seus olhos
Pequenos pedaços de mar
Que vagam pela terra

Ilusões são o berço do poeta,
Não me incomoda recostar nelas
As pernas cansadas de andarilho
Poeta errante hipnotizado por ti.

Anna Araujo – 20/10/2013