quinta-feira, 16 de maio de 2013

Outono no Rio




Vou desistir de sentir saudade de você
Estamos igual ao sol e a lua
E não existe previsão de eclipse
Não existe previsão de encontro

Suas palavras me tocam e incentivam
E a distancia fico com meus sentimentos
Que de tão novos podem morrer a qualquer instante
Será que vale a pena socorre-los?

Não buscava por nada, quando distraída esbarrei em você.
Conversas de fim de noite. Histórias totalmente novas...
Sensações tão ou mais renovantes e outro nome
Palavras que se completam, ideias que se encontram.

Músicas ainda falam por nos, quando nos falta voz.
Respostas ultimamente tenho tido pouquíssimas
Pela primeira vez me dou o direito de ver a vida rolar
E não quero mais conjecturas nem previsões errôneas

Tento voar livre como o pássaro que há tempos não sai do ninho.
Lugar que tem estado terrivelmente incomodo e incompleto
Faltam coisas lá, faltam coisas em mim.
Faltam pedaços que ainda não sei como construir.


Anna Araujo – 12/05/2013