quinta-feira, 26 de janeiro de 2012

Ode ao Malandro


Quem anda em bando é passarinho

Malandro que é bom anda sozinho

Tem seu bando aonde chegar

Porque sua casa é qualquer lugar


Se espalha e não tem quem o junte

Porque é sempre livre e bem amado

Hora está aqui, hora está lá

Finca raízes por onde pisar


Brinca de ser sem rumo

Por ser dono de todos os caminhos

Desliza pela vida seguindo em frente

Em linha reta bambeia pelos lados


Não tem como prende-lo

Pois sua liberdade vem de dentro

Não tem como lhe fazer mal

Pois até o mal o ama.


Renda-se a sua beleza

Com respeito...

Saiba admirar o que é belo

E sempre será livre!


Anna Araujo – 6/11/2011

segunda-feira, 2 de janeiro de 2012

Estatuto da Liberdade



Toda vez que te apresentarem um risco
Fique amigo dele...
Quando te jogarem em uma arena
Seduza os leões...

Dance sobre o corte da navalha da vida
Brinque de perdido e se ache
Busque as conquistas dos seus tesouros
Ande a esmo, até encontrar a sua saída

Corte suas raízes
Desenvolva suas pernas
Aprenda o jogo do sebo nas canelas
Quando a vida sufocar a arte

Se espalhe pelos caminhos
Deixe pegadas nos peitos alheios
Deixe lembranças e cheiros
Fuja antes de esquecer o gosto da poeira

Pé na estrada e coração no vento
Um céu sobre nossas cabeças
Um chão para lembrar que existe limite
E os precipícios para lembrar como é bom desafiá-los.

Anna Araujo – 06/09/2011