sexta-feira, 26 de agosto de 2011

Apenas um Mês


Quando setembro chegar

Outro nome sairá de meus lábios

Outra voz entrará em meus ouvidos

Você não estará mais em meu peito


Um mês para te esquecer

É o último tempo que oferto a você

Depois de tantos anos

Saio como quem nunca se quer entrou


As lembranças ficarão para sempre

Todos os nossos erros e nossos acertos

As noites de inverno que atravessamos

Os dias que vimos clarear, insones


Agora tudo parece tão longe da verdade

Uma mera lembrança para criar poesias

Aquele tipo de historia que acaba

E volta nas tardes vermelhas de verão


Uma lágrima trapaceira caí da face

Sorrio e a enxugo como se nada fosse

Talvez uma gota de chuva, desavisada

Que caiu de uma nuvem que nunca vai desaguar


A métrica da arte, não existe na vida real

Talvez fossemos invencíveis juntos

Mas nós mesmos nos vencemos

E acabamos nos perdendo nessa guerra


Onde varias vitimas saíram feridas

Virando a cara e escondendo as dores

Muita nobreza e falsidade

Os nossos olhos tapados de tantas mentiras


Apenas um mês, o prazo que dou a dor

Que teimou em voltar, sem convite

E se alojou nesse velho peito dolorido

No lugar onde deveria estar seu nome.


Anna Araujo - 02/08/2011