domingo, 27 de fevereiro de 2011

Rota

Cansaço...
O cansaço de ser demais
De querer demais
De carregar o mundo nos ombros

Solidão
A solidão do excesso do cansaço
Do vazio dos dias e da casa
Do não ter mais forças para tentar

Dor
A dor do não ter para onde ir
Não ter onde se esconder
De não saber mais disfarçar os cortes

Estou partindo daqui
Indo embora
Optando por outra rota
Longe de tudo que não soube construir aqui
Longe de tudo que não tenho mais forças para ser
Bem distante dessa dor que virou eu e você
Você homem, você cidade, você solidão...

(Anna Araujo)

sábado, 26 de fevereiro de 2011

Depois de Você

Depois de você
Outras camas me receberam
Algumas foram leitos de veraneio
Outras me deram conforto

E no dia seguinte perguntas ficavam
Esqueci de coisas vividas e fantasiei outras
Esqueci a paz do amor e vivi o tesão da aventura
Tudo para não correr mais o risco de te ver

Depois vieram as ressacas
As mágoas e os cacos
As noites passavam como tempestade
E a única sobrevivente era eu

Homens vieram e amores foram
Em todo lugar tentava te descobrir
Mas fugia de todos que pareciam contigo

Queria descobrir só para ter a certeza
De que jamais esqueceria
Os olhos que me levaram da paz
E me trouxeram a decadência.

(Anna Araujo)

segunda-feira, 21 de fevereiro de 2011

Memória

Minha memória anda ficando fraca
Ontem confundi seu nome
Com o nome de outro homem
E esqueci o caminho de casa

Talvez seja culpa do conhaque
Ou das dores que sempre
Me desceram pela garganta
Com o mesmo paladar

Minha memória anda esquecendo coisas
Ontem esqueci seu numero de telefone
Quando tive vontade de te ligar
Acho que errei também o seu endereço

Então, ontem não soube voltar para a casa.
E me perdi em um caminho onde vi um terceiro sexo
Parecia que todos os outros humanos eram incompatíveis a mim
Minha memória anda ficando fraca
Não consigo mais lembrar como era seu rosto
E nem porque nos perdemos...

Mas estou sempre por aí
Convivendo com o terceiro sexo
E sabendo da minha incompatibilidade com ele
Teimando em encontrar o caminho de casa
Sabendo que perdi a direção
E nunca mais vou voltar a morar em ti.

(Anna Araujo)

sexta-feira, 18 de fevereiro de 2011

Eu Estava Lá


Eu estava lá
Enquanto você era feliz
Assistia aos seus sorrisos
E me deleitava

Eu estava lá
Brincando de passante
Enquanto amava a quem quisesse
Fingia não me importar...

Estava por lá também
Quando decidiu viver de outra forma
Quando fingiu ser quem não era
E levou a serio um amor errado

Assisti você trôpego por bares
Desamado e desamando
Aconselhei a amar novamente
E te acompanhei até sua casa

Sempre me fingi de anjo da guarda
Só aparecendo quando era o melhor a ser feito
Mas depois da minha atual asa quebrada
Talvez da próxima vez não esteja mais lá...

(Anna Araujo)